sexta-feira, 29 de março de 2013

Therion – Les Flurs Du mal (2012) – Download

 Nunca dei muita atenção ao Therion, obviamente conhecia a banda de nome e inclusive me lembro de quando eles começaram a aparecer nas revistas de metal, na primeira metade da década de 90.
Acho que o único disco deles do qual eu cheguei a escutar alguma coisa foi `Theli`, de 1996, que eu escutei porque trabalhava em um loja de discos na época.
Como a sonoridade deles não `bateu` nem cheguei a gravar algo do disco. E nunca mais procurei ouvir os lançamentos da banda, mas isso mudou no comecinho desse mês!
Lendo a Roadie Crew de março me deparei com uma entrevista deles em que o vocalista Cristopher Johnsson explicava os detalhes do disco novo do Therion, `Les Fleurs Du Mal`, em que eles pegaram várias canções tradicionais francesas e as `metalizaram`, epa!
Simplesmente amo quando uma banda de metal se liberta dos grilhões e  `dogmas` do gênero e toma uma atitude como essa do Therion!
 CRISTOPHER JOHNSSON

Não sou exatamente um francófilo mas tenho um certo apreço pela língua e por alguns aspectos da cultura francesa. E pelas mademoiselles também!
Na entrevista Johnsson explicou que a idéia de regravar canções tradicionais francesas surgiu quando ele passou a pensar em gravar um disco de covers mas não queria trilhar o fácil e batido caminho de regravar canções metal, punk ou pop.
Quanto mais pensava no assunto mais via que o caminho era usar músicas desconhecidas da maioria das pessoas, pois assim poderia modificá-las à vontade, adaptá-las à sonoridade do Therion sem a pressão que teria de enfrentar se optasse por canções manjadas.
Quando começou a listar as canções que gostaria de usar no projeto Johnsson percebeu que mais da metade delas eram francesas, e voilá, viu que o caminho era usar as belíssimas canções do cancioneiro popular gaulês!
Para tornar o trabalho mais diferente ainda Johnsson não se limitou a canções conhecidas como `Poupée de cire, Poupée de son` de Serge Gainsbourg, foi fundo na pesquisa e chegou a artistas cujos trabalhos nem chegaram a ser lançados em CD, como Léonie Lousseau.

 Escolhidas as faixas veio o grande desafio, gravar as músicas em francês, pois o Therion é da Suécia e sempre gravou seus discos em inglês, com uma ou outra faixa em sueco.
Uma amiga franco-americana da banda se prontificou a  trabalhar na pronúncia do francês com os 4 (!!!!) vocalistas da banda.
Thomas Vikström e Snowy Shaw apanharam bastante porque não falavam absolutamente nada de francês e tiveram de trabalhar a pronúncia de palavra por palavra das letras!
Acostumados a gravar um álbum inteiro em poucos dias os dois vocalistas penaram repetindo muitos e muitos takes, que estavam tecnicamente perfeitos, mas não podiam ser usados por causa de `escorregadas` na pronúncia.
Já as vocalistas Lori Lewis e Mari Paul não tiveram nenhum problema durante as gravações.
Cantora de ópera, Lewis aprendeu francês estudando e praticando obras de autores gauleses, já Mari Paul é uma finlandesa que tem como terceira língua exatamente o francês. Disse terceira língua porque praticamente todos escandinavos aprendem inglês paralelamente ao seu idioma natal na escola, desde pequenos.
 Com as gravações em andamento o Therion teve que enfrentar mais uma provação: devido à ousadia e ineditismo do projeto a Nuclear Blast não viu potencial comercial no disco.
Como se tratava de um disco de covers havia uma cláusula no contrato entre a gravadora e a banda que eximia a Nuclear Blast de lançar o disco se não gostasse do repertório.
Foi aí que Cristopher Jonhsson deu um exemplo de comprometimento com a sua visão artística que até me arrepia, propôs que ele mesmo pagasse pelos custos da produção (75.000 euros!!!!!) e assim pudesse lançar o disco de forma independente, pouquíssimas bandas tomariam tal atitude!
Obviamente a gravadora aceitou a proposta e a banda finalizou o processo de gravação do disco.
 Como empatou uma grana altíssima na produção do disco, Johnsson ficou sem um mísero euro para usar na divulgação, apostou que pelo caráter diferenciado do disco as resenhas da mídia especializada causariam algum tipo de reação, boa ou má, falem mal mas falem de mim!
A estratégia deu certo e o disco passou a ser alvo de opiniões e debates acalorados, a favor e contra!
 O nome `Les Fleurs Du Mal` foi retirado de uma obra (6 poemas) do `maldito` poeta francês Charles Baudelaire, que chegou a ser proibida na França no século XIX!
Amei o disco, é o que eu mais escuto ultimamente, o Therion apostou alto e está colhendo os frutos de sua coragem e ousadia!
Como disse antes, adoro bandas que inovam, que rompem as barreiras de seu estilo musical, ainda mais quando a inovação é feita com todo o charme e sofisticação da música francesa, `Les Fleurs Du Mal`, très bien, baixe!


1.Poupée De Cire, Poupée The Son
2. Une Fleur Dans Le Coeur
3. Initials B.B
4. Mon Amour, Mon Ami
5. Polichinelle
6. La Maritza
7. Soeur Angelique
8. Dis Moi Poupée
9. Lilith
10. En Alabama
11. Wahala Manitou
12. Je N'al Besoin Que De Tendresse
13. La Licorne D'or
14. J'al Le Mal De Toi
15. Poupée De Cire, Poupée The Son
16. Les Sucettes












Os Matadores (Brasil, 1997) – Download


Sinopse:

"Em um bar na divisa Brasil-Paraguai, um homem está para ser eliminado. Enquanto esperam o defunto encomendado, dois "matadores", Toninho e Alfredão revelam uma história em que é difícil encontrar culpados e inocentes. Presente e passado se misturam em torno da morte de Múcio, o pistoleiro mais competente da região, mostrando que matar ou morrer é uma fronteira fácil de se atravessar. Um chefe, uma bela mulher, um serviço a ser feito."





Fonte: Filmografia Brasileira http://filmografiabrasileira.com
Um verdadeiro paraíso para amantes do cinema nacional, visite-os!

The Art of Frank Cho (2010) – Scan Download


Sinopse: Frank Cho é um autor e ilustrador norte-americano de Histórias em Quadrinhos. Seus trabalhos mais conhecidos foram Liberty Meadows, publicado pela Image Comics, Marvel Knights e Shanna, The She-Devil, pela Marvel Comics. É notoriamente conhecido por suas ilustrações de mulheres sensuais e voluptuosas em poses sugestivas, traços especialmente encontrados em Shanna e também em Jungle Girl. Confira agora todo o talento deste ótimo ilustrador em mais de 40 belíssimas ilustrações.



Fonte: Scanmaniacs http://scanmaniacs.blogspot.com
CDisplay – programa para ler HQ´s

Será que os Quadrinhos de Super-Heróis não nos ensinaram nada?


Será que os Quadrinhos de Super-Heróis não nos ensinaram nada?

Ou "Por que tantos leitores de quadrinhos são preconceituosos com homossexuais, ideias igualitárias e as mudanças ocorridas na sociedade?" 
 É triste, em pleno século XXI, perceber que boa parte da humanidade, em vez de evoluir, parece cada vez mais se apegar a conceitos antiquados e preconceituosos. E se já é ruim que esse tipo de pensamento retrógrado venha de representantes da mídia ou de políticos colocados erroneamente em posições de poder, não é mais aceitável que venha de pessoas que se dizem “amantes de quadrinhos”.
Será mesmo que conseguimos passar nossas vidas todas lendo aventuras de Super-Homem, Capitão América, Homem-Aranha, X-Men e tantos outros sem que tenhamos entendido a mais simples verdade que todo gibi de super-herói ensina? Que os mais fracos merecem ser protegidos e que todos têm o direito à felicidade?

Legado de ódio

Para muitos fãs de heróis fantasiados, Steve Rogers, o Capitão América, é um modelo de virtude a ser seguido. Criado por Jack Kirby e Joe Simon em 1941, o personagem surgiu primariamente como um símbolo contra o nazismo, que à época parecia ameaçar todo o mundo. Os nazistas, muitos parecem esquecer, não apenas tentaram dominar o planeta e eliminar os judeus, como também  pôr fim às liberdades pessoais e erradicar em larga escala os homossexuais ou, ao menos, a homossexualidade. Estima-se que, entre 1933 e 1945, cerca de 50.000 homens e mulheres de inclinação homossexual foram presos e condenados à prisão ou à morte em campos de concentração na Alemanha. Se todos os fãs do Capitão América concordam que os nazistas representavam o pior da humanidade, que eram um império maligno que cometia as piores atrocidades... por que alguns, pelo visto, acham que eles estavam certos em sua perseguição aos gays?
Para essas pessoas, se o nazismo apenas perseguisse homossexuais, o Capitão América é que seria o vilão por lutar contra Hitler e seus asseclas? O mais estranho, talvez, é que muitos homofóbicos radicais gostem de chamar o movimento que defende os direitos dos homossexuais de “gayzismo”, como se a indicar que sentem-se oprimidos pela tentativa mais que justa de uma minoria em levar uma vida digna.

 A verdade, a justiça e o herói de Krypton

 Um herói que surgiu para defender o homem comum foi o Super-Homem. Inventado por Joe Shuster eJerry Siegel, dois garotos pobres de Ohio, ele apareceu em 1938 com a missão maior de proteger os fracos e oprimidos. Os dois jovens haviam passado suas vidas em meio às agruras da crise econômica causada pela queda da bolsa de valores em 1929 e as aventuras que criavam para Super-Homem não o mostravam em luta contra supervilões, mas contra as injustiças sociais e econômicas existentes nos Estados Unidos à época. O herói de Krypton enfrentava senhorios corruptos, industriais desonestos e milionários inescrupulosos, entre outros, e sua “batalha sem fim” era para dar oportunidades iguais aos menos privilegiados, dar a eles a chance de levar uma vida decente.
Mais de 70 anos após o surgimento de Super-Homem, ainda não moramos em um mundo mais justo. As cotas raciais nas faculdades são repudiadas imediatamente por uma legião geralmente mal-informada que vê na proposta algo maligno e ofensivo, sem se preocupar em pesquisar a questão. Segundo dados do IBGE, há cerca de 31,1% de jovens brancos, de idades entre 15 e 24 anos, matriculados em escolas de nível superior. Já entre os negros, o número cai para 12,8%. Para muitos – que devem vibrar com as aventuras do Homem de Aço, senão nos quadrinhos, ao menos nos filmes e séries de TV – parece impossível entender que é muito difícil para um afrodescendente conseguir uma chance de entrar na faculdade no Brasil. Sim, pode parecer um discurso carregado de chantagem emocional, mas a verdade é que uma parcela grande da população negra carrega séculos de preconceito e pobreza, após terem seus antepassados trazidos ao Brasil como escravos e mais tarde libertados sem dinheiro, sendo obrigados a trabalhar por valores ínfimos que lançaram muitos num estado de subisistência. Antes de levantar a bandeira do “Sou contra”, vale se informar melhor sobre a situação, no mínimo. Aprofundar-se nos argumentos dos que defendem as cotas pode fazer muitos mudarem de opinião sobre a questão. Pode acreditar, pois foi o que aconteceu comigo. E, novamente: será que lutar por justiça e igualdade é algo nobre apenas nos quadrinhos e no cinema mas, na vida real, o ideal é colocar os nossos interesses pessoais – e muitas vezes obtusos – à frente de tudo e todos? Qualquer vilão da Marvel ou da DC ficaria orgulhoso de atitude tão egoísta.
E a questão da justiça e defesa dos oprimidos e das minorias não está presente apenas em uma questão polêmica como a das cotas raciais. Num país de maioria pobre, os donos de automóveis ainda reclamam, brigam e xingam porque os donos de bicicletas se “atrevem” a querer um pequeno espaço nas ruas, “ousam” querer o direito de transitar em seus veículos de duas rodas pelas vias principais. “Não”, dizem esses motoristas. “O lugar desses ciclistas não é nas ruas. Se não podem ter um carro, que usem o transporte público. Se querem andar de bicicleta, devem ficar confinados aos parques, para não nos incomodar.” Seriam os parques, neste caso, o equivalente à Zona Fantasma, para onde eram enviados os elementos indesejados da sociedade kryptoniana? Pois é, esse tipo de lição alguns parecem tirar dos quadrinhos... Mas vale lembrar que não é porque a presença de alguém nos incomoda, que ele não tenha o direito de estar ali.

Temidos e odiados

Mas, não importa o que se diga, são mesmo os homossexuais os mais perseguidos pelos leitores preconceituosos de super-heróis. Pra começar, eles gostariam que seus gibis nem mencionassem a existência de homossexuais, quanto mais que aparecessem neles personagens em relacionamentos homoafetivos. A desculpa de alguns é que “crianças não deveriam ser expostas a esse tipo de comportamento”. Claro, como se houvesse mesmo muitas crianças ainda lendo HQs de super-heróis atualmente. Para quem não sabe, os quadrinhos da Marvel e da DC são lidos, hoje, por adolescentes e adultos. E, mesmo que crianças sejam “expostas” ao estilo de vida dos homossexuais nos quadrinhos, isso seria apenas um reflexo do mundo atual, algo que elas verão de um jeito ou de outro. Ou você vai esconder para sempre do seu filho que dois homens ou duas mulheres podem se amar da mesma forma que o pai e a mãe dele?
A verdade é que muitos parecem sentir sua própria masculinidade ameaçada pela imagem de um herói como Alan Scott, o primeiro Lanterna Verde da DC, beijando outro homem – na tão comentada reformulação recente do personagem. E o argumento sempre é “não que eu seja homofóbico, só acho que é errado mostrar isso nos gibis.” Ok, se isso não é homofobia, o que é?
Durante quase duas décadas, a revista X-Men, da Marvel, foi o maior sucesso do mercado de quadrinhos nos Estados Unidos. Esta criação de Stan Lee e Jack Kirby sempre teve como tema recorrente o preconceito dos humanos para com os mutantes, aqueles seres tão diferentes de nós, com um estilo de vida que a humanidade não conseguia entender. Toda revista dos X-Men explicava que aqueles heróis lutavam para defender “um mundo que os teme e odeia”. E nós líamos e pensávamos: “Ó, como pode a humanidade ser assim, tão imcompreensiva? Tão cabeça-dura? Perseguir os mutantes só porque eles são diferentes? Isso é errado!” É, mas pelo visto tínhamos esses pensamentos altruístas apenas no que se referia ao mundo mágico da Marvel. Por que, na vida real, estilos de vida diferentes incomodam muita gente. Nos gibis, quem nasce diferente merece compreensão, pois não têm culpa por isso. No nosso mundo, porém, quem nasce diferente precisa ser escurraçado da sociedade e ter seus hábitos, sentimentos e crenças modificados (ou “curados”) pois são ofensivos.  O roteirista inglês Alan Moore chocou muita gente quando escreveu, na introdução de V de Vingança, que parte da mídia inglesa em 1988 defendia campos de concentração para pessoas com AIDS, enquanto o governo de Margaret Thatcher dava sinais de que gostaria de erradicar a homossexualidade no Reino Unido. Seguindo esse pensamento, não é difícil imaginar que alguns sonham com a possibilidade de um futuro como o da clássica história “Dias de um Futuro Esquecido”, de Chris Claremont e John Byrne, no qual os homossexuais (e ciclistas, feministas e outros que pensem ou ajam fora da norma estabelecida pela maioria) seriam perseguidos por robôs gigantes e enviados a campos de prisioneiros... ou mortos, para eliminar de vez o incômodo.

Até o Vigia, o alienígena da Marvel que a tudo observa, deve virar o rosto para não ver algumas das coisas que fazemos e pensamos.

Com grandes poderes

Exemplos não faltam, nos quadrinhos, de lições que deveríamos ter aprendido para tornar o mundo em um lugar melhor, mais tolerante e mais justo.  Então por que tantos fãs de quadrinhos se mostram tão resistentes a trazer estas lições para o mundo real? Como conseguiram ler durante décadas histórias sobre heróis que lutam contra injustiças, protegem os mais fracos e tentam fazer do mundo um lugar melhor onde todos têm os mesmos direitos, e mesmo assim continuam preconceituosos e com uma percepção tão limitada e mesquinha?
De que vale defender os méritos dos quadrinhos de super-heróis se não mostrarmos que os bons exemplos que eles trazem podem ser aplicados na vida real? Às vezes valeria a pena parar e pensar, frente a este mundo moderno que parece trazer mudanças que muitos não conseguem entender: “O que o Super-Homem faria?”
Não adianta esperar pela picada de uma aranha radioativa para se tornar um herói do dia-a-dia. E, parafraseando uma das frases mais famosas e importantes dos quadrinhos, vale lembrar que "com grandes preconceitos... vem também grande mediocridade".

Por Maurício Muniz              

Originalmente postado no site Guia dos Quadrinhos http://www.guiadosquadrinhos.com





The Wolverine – Poster e Primeiro Trailer




Tenho dois pés atrás em relação a qualquer filme da Fox baseado em personagens da Marvel mas esse `The Wolverine` aparentemente será um pouco melhor que os outros longas de super-heróis que o estúdio já produziu, de repente isso já é o dedo do Mark Millar no projeto.

Max Cavalera, David Vincent e Glenn Danzig trabalhando em filme baseado na vida da deusa pornográfica Vanessa Del Rio!

 O competente diretor Thomas Mignone, que tem em seu currículo clipes do System Of A Down, Danzig, Sepultura, Soulfly, Slipknot, Mudvayne e Morbid Angel, está trabalhando em um filme baseado na vida da `porn queen` Vanessa Del Rio.
Del Rio foi uma das mais conhecidas atrizes pornográficas da década de 80.
 Vanessa se destacou pelo seu corpo malhado e por suas tórridas performances.
Marmanjos que estão lendo esse post e eram adolescentes na década de 80 com certeza já viram ao menos uma ceninha de Vanessa!
 Max irá fazer a trilha sonora do filme, que pela ascendência latina da diva deve ter alguns batuques!
Já Vincent e Danzig irão atuar no filme, o papel do frontman do Morbid Angel ainda não foi definido, mas Danzing interpretará um malandrão de rua!
O filme não será exatamente uma biografia de Vanessa Del Rio, usará algumas passagens de sua vida para mostrar como era o clima no bas-fond dos cinemas pornográficos e sex shops localizados em Times Square (New York) durante as décadas de 70 e 80.

 O dinheiro para a produção do filme está sendo levantado através do site de crowd funding Indiegogo http://www.indiegogo.com/ e já atingiu o valor de U$ 31.409, ou seja, já ultrapassou a meta proposta, que era de U$ 30.000.
Vincent doou 5 baixos de sua linha personalizada `Demonator`, da Dean Guitars, para serem dados como brinde/mimo especial aos apoiadores do projeto que contribuírem com 1.000 dólares.
Cada um dos cinco baixos foi assinado por David Vincent e Vanessa Del Rio.








Slayer – Kerry King admite que Jeff Hanneman pode não retornar à banda


 Após todo o drama da `saída` de Dave Lombardo as coisas voltam a esquentar no reino sangrento do Slayer!
 Em uma recente entrevista ao site Metal Obssession (http://www.metalobssession.net ) King revelou que há muito tempo não fala com Hanneman e que só tem notícias dele através do empresário da banda ``Há muito tempo não vejo Jeff, ele sempre foi um recluso, e ele está mais recluso ainda desde que não está tocando conosco. Nosso empresário fala com ele de tempos em tempos e o vê em Los Angeles de vez em quando. Mas estou morando longe de L.A, então não estou realmente por dentro dessa situação. Mas eu acho que ele está melhorando. Essa é uma daquelas situações em  que ele pode fazer o que quiser na vida, ele poderia estar aqui tocando conosco e se divertindo. Provavelmente ele poderia tocar `South Of Heaven` mas não poderia tocar `Jihad`, entende o que eu quero dizer?``
Pelo jeito os rumores de que na verdade Hanneman já saiu da banda há muito tempo estão se concretizando, as declarações de King nessa entrevista estão bem diferentes das que ele vinha dando nos últimos dois anos, desde que Hanneman teve de se afastar da banda por causa de um seriíssimo caso de fasceíte necrotizante causada pela picada de uma aranha.
Somam-se a essas declarações os boatos cada vez mais fortes que o alcoolismo de Hanneman o dominou de vez, ao ponto de atrapalhar seu convívio com os demais membros da banda.
Na mesma entrevista King disse que já começou a trabalhar no novo disco da banda ``Por enquanto todo material é meu, fiz isso porque não sei quais são as intenções de Jeff. Eu queria ter o Slayer preparado para o caso dele não retornar. Se ele retornar nós temos um monte de músicas (para trabalhar) ``
Desse material, duas faixas já estão totalmente gravadas, faltando apenas serem mixadas, uma está faltando solos e vocais e há mais 9 para serem trabalhadas. O novo álbum pode ser lançado ainda esse ano.
 Mostrando claramente que algo está muito errado na banda King falou claramente sobre a possibilidade de Gary Holt (Exodus), que está tocando no lugar de Hanneman desde 2011, se tornar um membro efetivo do Slayer `` Eu acho que Gary está aqui para uma longa jornada, eu nunca realmente discuti isso com ele, mas ele deixa sua agenda livre quando nós estamos em tour. E eu tenho certeza de que se Jeff de repente aparecesse em junho nós pagaríamos Gary por manter sua agenda livre para nós, não quero tratar mal alguém que nos ajudou por dois anos. Mas se Gary tocasse para sempre conosco? Por mim tudo bem. Mas se Jeff melhorasse e dissesse `ei caras, eu quero tocar`, e viesse para o ensaio e mostrasse para nós que ele estava bom o bastante (para fazer parte da banda), o lugar é dele``.
Prestaram atenção nas declarações? King está falando com todas as letras que o lugar não é mais de Hanneman só porque ele é um membro original da banda, para retornar ao Slayer ele teria de fazer uma espécie de audição!
SEQUELAS DA FASCEÍTE NECROTIZANTE NO BRAÇO DE JEFF HANNEMAN

Nunca consegui entender a adoração de uma grande parte do público pelo Exodus, respeito a banda e tal, mas não consigo vê-los no nível dos `Big 4`, a atitude de Holt em condicionar a agenda do Exodus às tours do Slayer mostra claramente seu desejo de ficar na banda de uma maneira permanente, periga ele gravar as guitarras desse novo disco junto com o Kerry King.
O que na real é uma faca de dois gumes, financeiramente não há dúvidas que ele ganharia muito mais com o Slayer, mas no Exodus ele é o `dono` e no Slayer ele seria um `empregado`, sujeito ao atual humor inconstante e imprevisível de King.
Nunca esperei que um dia veria o Slayer em situação dessas. Tom Araya, bota a barba de molho porque se você ficar doente de novo o King arranja um vocalista para cantar enquanto você se `recupera`! A seguir cenas dos próximos capítulos!



Kick Ass 2 – Cartazes e Primeiros Trailers





Neil Gaiman volta para a Marvel e trás uma `nova` personagem

 A Marvel Comics anunciou semana passada o retorno do aclamado escritor Neil Gaiman à editora e  se já não bastasse essa surpreendente notícia, há também a intenção de introduzir no Universo Marvel uma personagem vinda de uma outra grande editora americana... Confira:

Segundo a própria Marvel, Neil Gaiman está de volta à editora e fará seu retorno escrevendo a parte final de "Age of Ultron". Seu próximo passo será escrever, em parceria com Brian Michael Bendis, a série dos Guardiões da Galáxia.

Mas o que mais chamou a atenção na notícia foi a afirmação de que Gaiman irá trazer para o universo da Marvel uma personagem que já foi muito popular na Image Comics: Angela! Sim, aquele anjo caçador que participava das revistas do Spawn.
 Para quem não sabe, Angela foi criada por Gaiman quando o mesmo roteirizou uma edição de Spawn e durante muitos anos houve uma briga dele com Todd McFarlane nos tribunais envolvendo os direitos da personagem, onde Gaiman acabou vencendo e agora possui todos os direitos sobre a mesma. Segundo as primeiras informações, Angela será inserida no Universo Marvel na edição número 5 dos Guardiões da Galáxia, onde passará a fazer parte da equipe.

Essa notícia realmente pegou a todos de surpresa. Se já não bastasse o fato da Marvel ter novamente o genial Neil Gaiman como um de seus roteiristas, ainda teremos Angela nos Guardiões da Galáxia! As especulações já começaram e muitos já apostam que Angela também será inserida no filme dos Guardiões.

O fato de Neil Gaiman voltar para a Marvel pode ter a ver também com o Marvelman (ou Miracleman). Como vocês devem se lembrar, os direitos sobre o personagem agora pertencem à Marvel e Neal Gaiman foi uma das peças fundamentais no processo jurídico, além de ter roteirizado a revista do personagem após a Era Alan Moore. Neil Gaiman poderia agora dar continuidade à sua saga em Marvelman, que acabou não tendo uma conclusão na época. Mas independente das teorias que já estão criando, acho que a intenção da Marvel é chamar a atenção para os Guardiões da Galáxia (que não são tão conhecidos pelo grande público que não acompanha HQs) e torná-los mais populares já visando o futuro filme. A estratégia é muito boa, pois logo de cara já viraram notícia até no New York Times...

Eduardo Spicacci


Originalmente publicado no site Universo Marvel 616 http://www.marvel616.com/
Um paraíso para amantes da Marvel, visite-os!



sexta-feira, 1 de março de 2013

Heretic - Lamashtu EP (2013) – Download

1 - Sensual Sickness
2 - Unleash The Kraken
3 - Solaris
4 - Dime (Homage for Dimebag Darrell)
5 - Rebel Yell feat. Wander Segundo (Corja)
6 - Act IV (live)




Jack Reacher – O Último Tiro (Jack Reacher, E.U.A, 2013) – Download


Sinopse: Quando um atirador tira cinco vidas com seis tiros, todas as evidências apontam para o suspeito que foi detido. Durante o interrogatório, o suspeito faz um único comentário: “Chamem Jack Reacher!”. Assim começa uma extraordinária busca pela verdade, colocando Jack Reacher contra um inimigo inesperado, com habilidades para a violência e com um segredo a guardar.




Namor – As Profundezas (2008/2009) – HQ Scan Download


Sinopse: Randolph Stein, cientista e explorador, sempre procurou desmitificar as famosas lendas que a humanidade persiste em levar adiante, usando a luz da razão para quebrar tabus míticos mundo afora. Como sua fama o precede, ele é contatado pela marinha norte-americana para investigar o misterioso desaparecimento do Capitão Marlowe na Fossa das Marianas - o local mais profundo dos oceanos. Liderando um pequeno grupo de marinheiros supersticiosos, Stein é incumbido de encontrar e resgatar Marlowe, além de comprovar se realmente o capitão desaparecido alcançou êxito em sua expedição marítima: a descoberta de Atlântida. Minissérie em 5 Edições reunidas em 1 Link.



Fonte: Scanmaniacs http://scanmaniacs.blogspot.com
CDisplay – programa para ler HQ´s

Treta no Slayer!

 Semana passada Dave Lombardo postou em seu perfil no Facebook um comunicado em que anunciou que estaria fora da tour australiana que o Slayer fez em fevereiro.
Segundo Lombardo, o que o fez não participar da tour foram problemas financeiros relacionados à tour mundial da banda em 2012.
De acordo com o comunicado do batera 90% dos lucros da tour ficaram com os empresários da banda, sendo os 10% restantes divididos entre os membros do Slayer!
Ainda de acordo com o comunicado de Lombardo, ele e Tom Araya contrataram contadores para realizar uma auditoria nas finanças da banda.
Em meio a tudo isso o Slayer estava ensaiando para a tour australiana, com Gary Holt em uma das guitarras, que já há alguns anos vem substituindo Jeff Haneman, que está se recuperando de uma fasceíte necrotizante causada por uma picada de aranha.
 HANEMAN NO SHOW DO KENTUCKY BRIDGEBURNERS ESSA SEMANA

Em uns desses ensaios Lombardo pediu uma reunião com Kerry King e Araya para esclarecer a situação financeira da banda.
Nessa reunião, estranhamente, King disse que não via motivos para mudanças na maneira que a parte financeira da banda é conduzida, e que se Lombardo insistisse no assunto ele simplesmente arranjaria um baterista para a tour australiana.
Como Lombardo manteve sua posição foi afastado/demitido por Kerry King!
Que situação! É extremamente triste ver uma banda que eu amo chegar ao ponto de protagonizar uma autêntica baixaria dessas por causa de grana....
Para bons entendedores que sabem ler nas entrelinhas o que Lombardo está dizendo com todas as letras é que se King não quer mudanças na condução das finanças da banda é por que de alguma forma elas o beneficiam, em português bem claro, Lombardo está dizendo que ele está participando da divisão dos tais 90%!



 JON DETTE

Desde o anúncio da doença de Haneman em janeiro de 2011 as coisas tem sido bem estranhas no Slayer. Gary Holt foi contratado para alguns shows já marcados e está na banda até hoje, Haneman tem sido frequentemente visto bebendo e curtindo, inclusive essa semana ele foi visto em um show de um projeto paralelo de alguns integrantes do Nashville Pussy, banda da qual ele é bastante amigo. Esse show foi realizado em um pequeno bar em Lexington, Kentucky.
Se o Kerry King vive dizendo que Haneman ainda está muito doente para voltar para a banda como é que ele está roletando em shows tão longe de Los Angeles, cidade em que mora?
No meio de tudo isso resta um enorme ponto de interrogação sobre a posição de Tom Araya nesse imbróglio.
No seu comunicado Lombardo disse que ele e Araya haviam contratado contadores para audicionarem as finanças da banda, mas ao que tudo indica na já famosa reunião Araya ou se omitiu ou `passou para o lado` de King.
O baterista escolhido por King para a tour australiana foi Jon Dette, que já tocou com o Slayer por um curto período em 1996/97, e já estava na Austrália para tocar com o.....Anthrax!
Charlie Benante não está podendo sair dos E.U.A por causa de um processo em andamento decorrente de uma pancadaria dele com sua esposa na frente dos filhos do casal, por isso Dette está tocando nas datas do Anthrax fora dos E.UA.

DETTE, LOMBARDO E BOSTAPH, OS 3 BATERAS DO SLAYER

Vale lembrar que o Anthrax também está tendo sua cota de problemas com a recente saída do guitarrista Robb Caggiano.
Dette aceitou a jornada dupla e no dia 24/02 entrou para a história do metal pois no Festival Soundwave tocou um show de uma hora de duração com o Anthrax , descansou 20 minutos, e fez outro show de uma hora e quarenta minutos com o Slayer!
Sinceramente não acho que Lombardo retorne depois dessa fatídica tour australiana, não há nem clima para isso.
E a real situação de Haneman é um mistério.
Realmente temo que o Slayer se transforme em uma daquelas `bandas empresas` com 1 ou 2 (nesse caso dois!) membros originais que burocraticamente fazem tours nostálgicas com o único intuito de arrancar grana dos fãs. Que decepção!






Carcass anuncia título do novo disco

 A lenda viva do underground mundial Carcass anunciou `Surgical Steel` como o nome de seu novo disco, que será lançado ainda esse ano, embora eles ainda não tenham um contrato com alguma gravadora.
O CD foi produzido pelo também lendário Colin Richardson, que tem em seu longo currículo produções de discos do Fear Factory, Napalm Death, Slipknot, Machine Head e várias outras bandas.
Nessa versão do Carcass os membros são o guitarrista Bill Steer, o baixista Jeff Walker (grande músico!) e o batera Dan Wilding (Aborted, Trigger The Bloodshed), que eu não conheço mas se ele está tocando com essas feras é porque é bom!
 O guitarrista Michael Amott e o batera Daniel Erlandsson, que estavam na formação do Carcass que fez uma tour mundial alguns anos atrás, tiveram de sair do grupo por causa de conflitos de datas com a banda principal deles, o Arch Enemy.
Em uma recente entrevista à revista Decibel, Bill Steer disse que apesar de terem gravado o disco como um trio eles pretendem arranjar um segundo guitarrista para os shows, mas não tem interesse em arranjar alguém `de nome`, preferem um músico novo/desconhecido.

No momento o Carcass está fechando os detalhes de apresentações em vários festivais de grande porte na Europa, entre eles o Party.San Open Air (Alemanha), Brutal Assault (República Checa), Damnation (Inglaterra) e Neurotic Deathfest (Holanda).
Embora ainda seja cedo para divulgar o tracklist definitivo do novo álbum o Carcass anunciou os nomes de todas as faixas que foram gravadas para `Surgical Steel`

The Master Butcher's Apron
The Granulating Dark Satanic Mills
A Congealed Clot Of Blood
A Wraith In The Apparatus
316l Grade Surgical Steel
 Cadaver Pouch Conveyor System
Captive Bolt Pistol
Intensive Battery Brooding
None Compliance To Astm F899-12 Standard
 Mount Of Execution
1985/Thrasher's Abattoir
 Unfit For Human Consumption
Zochrot
Livestock Marketplace




Simplesmente amo essa banda, aposto que vem coisa boa por aí!







Sepultura inicia as gravações do novo disco

 O Sepultura já começou a gravar o sucessor de `Kairos`, tudo ainda está nos estágios iniciais mas há a possibilidade do disco ser lançado ainda este ano, pela Nuclear Blast, com quem o Sepultura assinou em 2010.



Marvel divulga teaser de projeto de George A. Romero


A Marvel  lançou o teaser de mais um projeto misterioso. A imagem fala só em "[Marvel] of the Dead" e na data, o segundo semestre de 2013.
Embora a editora não confirme, é provável que seja o projeto escrito pelo diretor de cinema George A. Romero, que o próprio comentou em outubro. "Of the dead"  ("dos mortos") está no título da maioria dos filmes romerianos (Day of the Dead, Land of the Dead, Diary of the Dead, Isle of the Dead).
A editora deve explicar o teaser em breve.



                                                                        

Adam Duce fora do Machine Head


Há muito tempo a relação de Adam Duce com os outros membros da banda não era das melhores, principalmente com o `chefão` Robb Flynn, com quem chegou a sair no braço em um show na Europa ano passado!
A situação chegou a um ponto tão extremo que no início de fevereiro a banda fez uma reunião/lavagem de roupa suja e decidiu pela saída de Duce.
De qualquer forma Duce já estava para sair do Machine Head pois além dos problemas de relacionamento com o restante da banda já não suportava mais apresentar composições e letras para Flynn e elas nunca serem usadas.
Com a saída de Duce Robb Flynn passa a ser o único membro original da banda.
A bruxa está solta no metal!



Guillermo del Toro comenta filme com heróis sombrios da DC Comics

 O diretor Guillermo del Toro comentou como anda o projeto de levar os heróis da linha Dark, da DC Comics, para o cinema. Conforme noticiado anteriormente, o filme pretende juntar diversos personagens sombrios, focando nos monstros e seres sobrenaturais da editora, de uma maneira similar ao que está sendo feito atualmente com a revista Justice League Dark.
Entretanto, até o momento, este nome não foi utilizado oficialmente para batizar o projeto.
"Apresentarei a minha história à DC e à Warner, e o que pretendo fazer neste universo. Já temos um roteirista, mas, até o projeto ser aprovado, preciso manter sigilo. Espero que aconteça", disse em entrevista ao site Total Film.

"Tudo está indo bem, é como encontrar velhos amigos. Cresci lendo o Demônio Etrigan, Monstro do Pântano, Desafiador e todos esses personagens que me são tão queridos. Adoraria usar as origens apropriadas para cada um deles, e fazer de Jason Blood (Etrigan) um paladino e cavaleiro. Amo toda a mitologia do Constantine. São conceitos muito ricos", descreveu.
Guillermo del Toro é conhecido por seus trabalhos em criar criaturas para o cinema. Ele dirigiu os dois filmes do Hellboy, e por muito tempo foi o responsável pelo filme O Hobbit. Inclusive, ele chegou a trabalhar na pré-produção da saga, tendo ajudado a desenvolver o visual de muitos personagens.
Ele também estava trabalhando em um seriado televisivo para o Hulk que, por enquanto, parece estar parado.

Fonte: Universo HQ http://www.universohq.com.br